Inglês na prática: "ING" na letra da música de Ne-yo "Mad"

Ne-yo é um cantor de pop, dançarino e compositor. Seus grandes sucessos foram até o hoje as canções "So Sick", "Sexy Love", "Because of You", "Do You", "Closer" , "Miss Independent" e "Mad". Então, essa última canção particulamente gosto muito. Editei, analisei e deixei uma tradução especialmente para vocês praticarem o uso do "ING" através das 4 habilidades essenciais (ouvir, falar, escrever e ler).

Versos editados da música "mad":

1->She's starin' at me
I'm sittin' wonderin' what she's thinkin'

2->Nobody's talkin'
'Cause talkin' just turns into screamin'

3 ->And now is I'm yellin' over her,
She's yellin' over me

4 ->All that means
Is neither of us is listening

5 ->(And what's even worse)
That we don't even remember
why were fighting

6 ->So both of us are mad for
Nothin'(Fighting for)
Nothin'(Crying for)
nothin'

7 ->And it gets me upset,
girl when you're constantly accusing

8 ->(Askin' questions
like you've already known)

9 ->We're fighting this war, baby
When both of us are losing

10 ->Whoaaaaaaaaa...
(What happened to workin' it out)

11 ->Where you ain't backin' down
And I ain't backin' down

Análise:
O sufixo "Ing" - é uma das estruturas mais simples da língua inglesa. Muitas vezes pode ser traduzida como "ando", "endo" ou "indo" dependendo do verbo que a precede. Nessa música, você percebe que o "g" foi omitido em muitas palavras. Na verdade foi tudo feito propositalmente pra que o "g" não fosse pronunciado.

Exemplo:

Starin'
(olhando)
Thinkin' (pensando)
Yellin' (gritando)

O "ing" também pode ter outras funções gramáticais (adjetivo, substantivo, preposição ou advérbio) numa frase.

Exemplo:

Reading (leitura) - Substantivo
Regarding (a respeito de) - Preposição
Boring(chato) -Adjetivo
Nothing (nada) -Advérbio

Agora assista o video:

Texto: "Books aren't dead" (UFAL 2009)

Leia o texto e veja a análise da questão abaixo:

BOOKS AREN'T DEAD

The number of the books in print in 2008 rose 38 percent from the year before (which itself was up 38 percent from 2006). Where are all those books coming from? Both mainstream and self-publishershave contributed to the flood. Bu the real answers lies in university libraries, which are suddenly hawking publishing rights to the contents of their stacks or at least what's out of print or in the public domain. Latest example: the University of Michigan (partnering with Google for the digitization and an Amazon offshoot called Book-Surege for the printing) plans to offer more than 400.00 titles for sales on demand. Cornell plans to do the same with 500.000 titles, and the University of Pennsyvania plans to add another 200.000. Publishing's obituary may be, much like Mark Twain's, premature.- Malcolm Jones.

Newsweek, August 24&31, 2009, page 44.

A contextual synonym for food is:

a) Shortage
b) Calamity
c) Destruction
d) Abundance
e) Catastrophe

Essa foi uma das questões do Vestibular da Universidade Federal de Alagoas 2009

No tópico sobre "Natural Disasters", flood foi traduzido como enchente/cheia. No texto "Books aren't dead", a tradução de flood está metaforacamente referida a abundância de livros no mercado.